quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Líder muçulmano gera revolta ao ‘impor’ que bebês usem burca

Um pregador saudita propôs obrigar meninas a partir de dois anos a utilizarem o véu para evitar o assédio sexual, o que provocou protestos na imprensa e nas redes sociais. Durante uma intervenção na rede de programação religiosa Al-Majd, o xeque Abdullah al-Daud considerou que era preciso “impor o hijab (véu) às meninas a partir dos dois anos” e acrescentou que convinha seguir o exemplo “dos países do sudeste asiático”.


 “Se a menina pode provocar certo desejo, seus pais devem cobrir seu rosto e impor o véu (…) para não tentar” os perversos, considerou o pregador. “A menina pode tentar os agressores sem saber”, acrescentou, e lamentou a quantidade de agressões e de estupros de crianças no reino.

 As declarações do pregador provocaram grandes protestos nas redes sociais. “Queremos que estas declarações não sejam exageradas ou interpretadas como uma fatwa“, declarou à AFP o influente pregador Salman al-Audah.

 O xeque gerou revolta após sua polêmica declaração ser divulgada no Youtube As declarações do pregador foram muito criticadas no Twitter. “Punem a vítima”, protestou um internauta.

 De acordo com o canal árabe Al Arabiya, Daud citou episódios em que bebês foram molestados na Arábia Saudita e citou fontes médicas e de segurança para defender o seu ponto de vista. Contudo, comentaristas pediram que o clérigo seja responsabilizado por promover uma fatwa (pronunciamento legal emitido por um especialista no Islã) não regulada.


 Segundo a tradição muçulmana, as meninas devem cobrir o cabelo com um véu a partir da puberdade.

Fonte: Terra